Azeite: o ouro líquido

Home » Alimentos » Azeite: o ouro líquido

on fev 14, 13 • por • com Sem Comentários

Azeite: o ouro líquido

Pin It

O azeite era chamado, entre os mediterrâneos, de “ouro líquido”.

Mais da metade da composição desse alimento é pura gordura monoinsaturada, que contribui para impedir a presença de inflamações no organismo, como a gastrite. Contém também ômega 3, vitamina E, que afasta o risco de tumores e substâncias antioxidantes, como os polifenóis, que são responsáveis pelo odor característico do alimento e por beneficiar nossas artérias.

Outro efeito interessante do azeite é que ele evita o acúmulo de gordura visceral (localizada entre os órgãos), em especial, na linha da cintura. Esse tipo de gordura, quando em excesso, está associado ao desenvolvimento de Diabetes e de doenças do coração.

O azeite extravirgem é o mais indicado para evitar o acúmulo de placas nas artérias, já que é o puro suco da azeitona, diferente do azeite convencional, que possui algumas substâncias químicas. Mas para os outros benefícios do azeite mencionados acima, pode ser consumido o extravirgem ou mesmo o convencional.

Parece besteira, mas tem gente que não gosta de azeitona, mas adora azeite de oliva.

Parece besteira, mas tem gente que não gosta de azeitona, mas adora azeite de oliva.

É importante armazenar o azeite longe da luz, para evitar sua oxidação e claro, deve ser mantido sempre tampado.

O ideal é consumir o azeite em temperatura ambiente, pois, quando submetido a altas temperaturas, perde diversos compostos benéficos. Mas é preciso ter bom senso também, pois, entre utilizar manteiga e azeite para grelhar alguma carne, deve-se dar preferência ao azeite, que possui uma composição mais saudável.

Estudos indicam que o consumo de duas colheres de sopa de azeite por dia é o suficiente para obter os diversos pontos positivos desse alimento. Sugiro, portanto, que regue a salada do almoço e do jantar, com uma colher de sopa do “ouro líquido”, totalizando as duas colheres de sopa diária,

 

Beijos Saudáveis,

Dra. Juliana Tomandl Fontes

Tags: , ,

Artigos Relacionados


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


« Artigo Anterior

Próximo Artigo »

Scroll to top